GASTRO
NOMIA




Visita à cozinha do Buffet Colonial


O chef executivo Erick Domenico nos recebeu com bastante simpatia e felicidade à porta do Buffet Colonial para a matéria. Andamos um pouco pelo meio de um grande salão e, passando por uma porta, chegamos até a cozinha. Inúmeros funcionários corriam para lá e para cá, preparando, lavando, cortando e cozinhando.

 

Antes que pudéssemos chegar à parte de preparação de alimentos, o chef Erick Domenico nos orientou a colocar a touca, uma medida de segurança sanitária seguida à risca por todos os funcionários da cozinha.
 

Cozinha Colonial


Fato que inclusive me fez questioná-lo sobre os grandes chapéus de chefs de cozinha que vemos constantemente em filmes. Ele sorriu e disse que hoje em dia, pelo menos no dia a dia, é difícil que usem o chapéu.

“Há uma tradição em que se diz que quanto maior o chapéu do chef, melhor ele é! Mas não usamos constantemente nos dias comuns de trabalho”, admitiu Erick.

Ele nos levou até uma sala climatizada em cerca de 12 graus, conhecida como Garde Manger, onde os pratos são preparados sem risco de contaminação cruzada, como é o caso de saladas, sobremesas, alimentos crus ou pratos que levam maior tempo na montagem.

Para nossa visita, o chef preparou alguns pratos, entre eles estavam o carro-chefe da casa, Medalhão de Fillet Mignon ao Molho, e a Salada de Mil folhas.
 

medalhão
(Fillet Mignon ao Molho)

“Todos os pratos trazem simplicidade sem perder a elegância, eles levam as informações que quero sem exagerar no número de ingredientes”, afirmou Erick.
 

Salada mil folhas
(Salada Mil Folhas)

O medalhão leva molho de ervas com especiarias, risoto de queijo Brie com nozes e aspargos frescos. A salada é composta por queijo de cabra, creme de leite, massa folhada, redução de balsâmico, endívias e uma vasta variedade de folhas.

“As folhas da salada devem estar sempre bem vivas para chamar atenção com a cor. Devemos tomar cuidado para que não haja nenhuma lacuna no prato e comprometa a apresentação”, explica Erick.

Mais do que cuidado, o chef preparava os pratos com um zelo que só quem ama o que faz consegue ter. Com tanta exatidão, os ingredientes eram preparados um a um e depois eram montados, colocados cuidadosamente no prato como peças de um complexo quebra-cabeça.

“Toda finalização deve ser feita no último minuto para garantir o visual e o sabor de cada prato. Da cozinha ao cliente, o prato ainda passa pelos garçons, que são treinados para garantir que o mesmo não perca a montagem até chegar à mesa. É uma arte!”, afirmou Erick com ar vibrante.

Quase ao final da entrevista, pedi para que Erick reunisse a equipe para tirarmos uma foto; ele fez questão de chamar todos os funcionários e fomos até a entrada do Buffet.

 

Essa é a minha equipe, meu orgulho. Toda vez que entramos na cozinha é para realizar o dia mais importante de alguém, seja um aniversário, uma boda ou um casamento, e nós também fazemos parte deste dia de alegria. Cada cliente e evento são únicos! ”, declarou Erick com emoção.

Equipe Colonial